Os bebês nascem prontos para descobrir o mundo. Eles são poetas e heróis em busca de conexões. As crianças modernas, além de terem o sentir e o brincar, já estão inseridos em um mundo carregado de tecnologias onde celulares, tablets e Tv fazem parte do dia a dia de todos. Segundo a orientação da AAP (American Academy of Pediatrics), o limite diário de acesso às telas na primeira infância não seja maior do que de 1 hora.

Acreditamos muito no equilíbrio e queremos fazer (ainda não estão prontas?) criações audiovisuais de qualidade que proporcionem um encontro especial da infância com a arte. Criar uma ponte visual e poética com as crianças. Para crianças de 0 a 5 anos é importante estabelecer regras e limites no contato audiovisual. Afinal, o resto do tempo é para brincar (a proposta para bebês só tem sentido se o brincar fizer parte dela), explorar e curtir a vida. Conta pra gente o que você acha sobre o tempo de telas das crianças? Vamos conversar? Deixe seu comentário ou escreva pra gente.

Veja outros artigos

É prejudicial meu bebe ver videos?

O fato de assistir desenhos animados infantis ser prejudicial ou não ao bebê depende do tempo, da frequência e do contexto em que você deixa a criança pequena diante das telas dos aparelhos. Segundo pediatras do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, não há grandes problemas se o bebê for exposto à TV dentro da

Um conteúdo diferente de vídeos para o seu bebe

Para o pai ou mãe que está procurando um desenho que educadores infantis indiquem, hoje em dia temos varias ofertas  disponíveis na internet como por exemplo – Mundo Bita, Team Umizoomi, Dora, a Aventureira, Show da Luna, George, o Curioso, etc.  E se observarmos com atenção, todas estas series tem em comum uma estética com

Uma nova alternativa para o seu bebe

Muitos de nós nos perguntamos? Que desenhos animados posso oferecer para o meu filho? Como estimular o seu desenvolvimento da melhor forma? Devo expor meu filho tão pequeno a um desenho infantil no youtube? Muitos pais e mães não são a favor de expor as crianças pequenas a aparelhos eletrônicos com frequência, muito menos em